Sem nomes e sem histórias, mas amados

a escrita da história da escravidão em Perder a mãe, de Saidiya Hartman

Autores

  • Fernanda Silva e Sousa Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v16i41.1997

Palavras-chave:

Escravidão, Escrita da história, Luto

Resumo

O artigo se propõe a pensar Perder a mãe: uma jornada pela rota atlântica da escravidão, de Saidiya Hartman, em diálogo com os seus ensaios “Tempo da escravidão” e “Vênus em dois atos”, como uma escrita da história da escravidão que concebe os escravizados como seus ancestrais à medida que a autora se afirma como uma descendente de escravizados que vive a sobrevida da escravidão. Situando-a na nova história social da escravidão e no debate em torno do caráternarrativo e ficcional da história, argumentamos como Hartman, apoiada em uma tradição radical negra, elabora uma escrita da história que tenta dar conta dos milhões de mortos sem nomes e sem histórias ao longo do tráfico de escravos. Nesse processo, não apenas o esquecimento, mas também a impossibilidade de lembrar diante da escassez de fontes documentais ou de contornar a violência do arquivo se impõem como desafios ao trabalho de luto dessas vidas perdidas, levando-a à criação do método da fabulação crítica, que dialoga com o pensamento de Toni Morrison ao escrever o romance Amada. Ao fim, conclui-se que a escrita da história da escravidão deve ser acompanhada por um gesto ético de cuidado com os mortos, buscando não a redenção, mas a narração dessas vidas perdidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDER, Elizabeth. “Can you be Black and Look at This?”: Reading the Rodney King Video(s). Public Culture, Durham, v. 7, n. 1, p. 77–94, 1994. Disponível em: https://doi.org/10.1215/08992363-7-1-77. Acesso em: 5 set. 2022.

BASSET, P.S. A Visit to the Slave Mother Who Killed Her Children. Fairmount Theological Seminary, Cincinnati (Ohio), Feb. 12, 1856. Disponível em: https://bityli.com/SCxFSx. Acesso em: 29 jun. 2022.

BATISTA, Luís Eduardo; ESCUDER, Maria Mercedes Loureiro; PEREIRA, Julio Cesar Rodrigues. A cor da morte: causas de óbito segundo características de raça no Estado de São Paulo, 1999 a 2001. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 38, n. 5, p. 630–636, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000500003. Acesso em: 5 set. 2022.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras Escolhidas. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 8ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. p. 241-252. v. 1.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? 7ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

DAVIS, Kimberly Chabot. “Postmodern Blackness”: Toni Morrison’s Beloved and the End of History. Twentieth Century Literature, Durham, v. 44, n. 2, p. 242–260, 1998. Disponível em: https://doi.org/10.2307/441873. Acesso em: 5 set. 2022.

DE CERTEAU, Michel. A escrita da história. Trad. Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

DU BOIS, W. E. B. As almas do povo negro. São Paulo: Veneta, 2021.

FARGE, Arlette. Lugares para a história. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2021.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em W. Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2004.

GENOVESE, Eugene D. A terra prometida: o mundo que os escravos criaram. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

GILROY, Paul. O atlântico negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Editora 34, 2001.

GUTMAN, Herbert G. The Black Family in Slavery and Freedom, 1750-1925. New York: Vintage Books, 1977.

HARTMAN, Saidiya. Perder a mãe: uma jornada pela rota atlântica da escravidão. Trad. José Luiz Pereira da Costa. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

HARTMAN, Saidiya. Scenes of Subjection: Terror, Slavery, and Self-Making in Nineteenth-Century America. New York: Oxford University Press, 1997.

HARTMAN, Saidiya. Tempo da escravidão. Contemporânea: Revista de Sociologia da UFSCar, São Carlos, v. 10, n. 3, p. 927–948, 2020a. Trad. Carolina Nascimento De Melo. Disponível em: https://doi.org/10.31560/2316-1329.v10n3.4. Acesso em: 5 set. 2022.

HARTMAN, Saidiya. Vênus em dois atos. Revista ECO-Pós, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 12–33, 2020b. Trad. Marcelo R. S. Ribeiro e Fernanda Silva e Sousa. Disponível em: https://doi.org/10.29146/eco-pos.v23i3.27640. Acesso em: 5 set. 2022.

HOUSE, Elizabeth B. Toni Morrison’s Ghost: The Beloved is Not Beloved. Studies in American Fiction, Baltimore, v. 18, n. 1, p. 17–26, 1990. Disponível em: https://doi.org/10.1353/saf.1990.0016. Acesso em: 5 set. 2022.

JARDIM, Fabiana Alves. “Tudo aqui é um exílio”: violência colonial, desterros, testemunhos e sobrevivências. EXILIUM: Revista de Estudos da Contemporaneidade, São Paulo, v. 3, n. 4, p. 79–107, 2022. Disponível em https://doi.org/10.34024/exilium.v3i4.13254. Acesso em: 5 set. 2022.

MACHADO, Maria Helena P. T. Crime e escravidão: trabalho, luta e resistência nas lavouras paulistas. São Paulo: Edusp, 2014.

McKITTRICK, Katherine. Dear Science and Other Stories. Durham: Duke University Press, 2021.

MORRISON, Toni. A fonte da autoestima: ensaios, discursos e reflexões. Trad. Odorico Leal. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

MORRISON, Toni. Amada. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MORRISON, Toni. In The Realm of Responsibility: A conversation with Toni Morrison (Interview with Marsha Darling). In: TAYLORGUTHRIE, Danille K. (org.). Conversations with Toni Morrison. Jackson: University Press of Mississippi, 1994. p. 246-254.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2016.

NASCIMENTO, Beatriz. Por uma história do homem negro. In: NASCIMENTO, Beatriz. Uma história feita por mãos negras: relações raciais, quilombos e movimentos. Rio de Janeiro: Zahar, 2021. p. 37-46.

NEPTUNE, Harvey. Loving Through Loss: Reading Saidiya Hartman’s History of Black Hurt. Anthurium: A Caribbean Studies Journal, Coral Gables, v. 6, n. 1, p. 1-6, jan. 2008. Disponível em: http://doi.org/10.33596/anth.113. Acesso em: 5 set. 2022.

PEREIRA, Allan K. Escritas insubmissas: indisciplinando a História com Hortense Spillers e Saidiya Hartman. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 14, n. 36, p. 481–508, 31 ago. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.15848/hh.v14i36.1719. Acesso em: 5 set. 2022.

SHARPE, Christina. In the Wake: On Blackness and Being. Durham: Duke University Press, 2016.

SILVA, Daniela Oliveira. “Armar uma tenda num cemitério habitado por fantasmas muito eloquentes”: a apropriação imaginativa da história no romance Amada, de Toni Morrison. 2020. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso em História) - Instituto de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, Brasília, 2020.

SLENES, Robert W. “Malungu, ngoma vem!”: África coberta e descoberta do Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 12, p. 48–67, 28 fev. 1992.

SLENES, Robert W. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava: Brasil Sudeste, século XIX. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

SPILLERS, Hortense. Bebê da mãe, talvez do papai: uma gramática estadunidense. In: BARZAGHI, Clara; ARIAS, André; PATERNIANI, Stella Z. (org.). Pensamento negro radical. São Paulo: Crocodilo; n-1 edições, 2021.

TENÓRIO, Jeferson. O avesso da pele. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

TROUILLOT, Michel-Rolph. Silencing the Past: Power and the Production of History. Boston: Beacon Press, 1995.

WHITE, Hayden. The Fiction of Narrative: Essays on History, Literature, and Theory, 1957–2007. Baltimore: John Hopkins Press, 2010.

WHITE, Hayden. O texto histórico como artefato literário. In: WHITE, Hayden. Trópicos do Discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: Edusp, 1994. p. 97-116.

WISSENBACH, Maria Cristina Cortez. Sonhos africanos, vivências ladinas: Escravos e forros em São Paulo, 1850-1880. São Paulo: Hucitec, 1998.

Downloads

Publicado

2023-06-28

Como Citar

SILVA E SOUSA, F. Sem nomes e sem histórias, mas amados: a escrita da história da escravidão em Perder a mãe, de Saidiya Hartman. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 16, n. 41, p. 1–31, 2023. DOI: 10.15848/hh.v16i41.1997. Disponível em: https://revistahh.emnuvens.com.br/revista/article/view/1997. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Corpos, tempos, lugares da historiografia