Formas de repensar e experimentar a temporalização do tempo e regimes historiográficos

Autores

  • André Ramos Universidade do Estado de Minas Gerais
  • François Hartog École des Hautes Études en Sciences Sociales
  • Temístocles Cezar Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Thamara Rodrigues Universidade do Estado de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v16i41.2177

Palavras-chave:

Temporalização do tempo, Regimes historiográficos, História da Historiografia

Resumo

Apresentação do dossiê.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A mobilização das carnes: história, desejo e política ao rés dos corpos. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 16, n. 41, p. 1–23, 2023.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. Fazer defeitos nas memórias: para que servem o ensino e a escrita da história? In: GONÇALVES, Márcia de Almeida; ROCHA, Helenice; REZNIK, Luís, MONTEIRO, Ana Maria. (Org.). Qual o valor da história hoje? Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012. p. 21-39.

ARAUJO, Valdei Lopes de. A Experiência do Tempo: conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo: Hucitec, 2008.

ARAUJO, Valdei Lopes de; CEZAR, Temístocles. The forms of history in the nineteenth century: the regimes of autonomy in Brazilian historiography. Historein, v. 17, p. 1-24, 2018. Disponível em <https://ejournals.epublishing.ekt.gr/index.php/historein/article/view/8812>. Acesso em: 21 out. 2023.

ARAUJO, Valdei Lopes de; PEREIRA, Mateus Henrique de Faria. Atualismo 1.0: como a ideia de atualização mudou o século XXI. 2ed. Vitória: Editora Milfontes, 2019.

ARISTOTE. Physique. Paris: Les Belles Lettres, 1952.

ASSUNÇÃO, Marcello; PEREIRA, Allan; BARBOSA, Ana Carolina; BALDRAIA, Fernando; RODRIGUEZ, Maria Dolores. Na teoria da história e da literatura há questão racial, em teoria. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 26, p. 5-8, 2023.

BEVERNAGE, Berber. História, memória e violência de Estado: tempo e justiça. Tradução: André Ramos; Guilherme Bianchi. Serra: Editora Milfontes; Mariana: SBTHH, 2018.

BLOCH, Marc. Apologie pour l’histoire ou métier d’histoiren. Paris: Armand Colin, 1997.

CAMUS, A. L’étranger. Paris: Gallimard, 1942.

CEZAR, Temístocles. Geração e/ou gerações? História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 13, n. 34, p. 11–15, 2020.

CEZAR, Temístocles. O que fabrica o historiador quando faz história, hoje? Ensaio sobre a crença na história (Brasil séculos XIXXXI). Revista Antropologia, [S. l.], v. 61 n. 2, p. 78-95, 2018a.

CEZAR, Temístocles. Ser historiador no século XIX: o caso Varnhagen. Belo Horizonte: Autêntica, 2018b.

CHAKRABARTY, Dipesh. Provincializing Europe: postcolonial thought and historical difference. Princeton: Princeton University Press, 2008.

CHAKRABARTY, Dipesh. The climate of history in a planetary age. Chicago: The University of Chicago Press, 2021.

DERRIDA, Jacques. Espectros de Marx: o Estado da dívida, o trabalho do luto e a nova Internacional. Tradução de Anamaria Skinner. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

DOMANSKA, Ewa. Affirmative Humanities. History-theory-criticism, Czech Republic, n. 1, p. 9-26, 2018.

ELIOT, T.S. Tradition and the individual talent. Selected essays, London: Faber and Faber Limited, 1948.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GUIMARÃES, Géssica. Ensaio feminista sobre o sujeito universal. Rio de Janeiro: UERJ, 2022.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Ensaios de historiografia. Organização, revisão, tradução e notas de Temístocles Cezar. Vitória: Editora Milfontes, 2022.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Historiografia e nação no Brasil: 1838-1857. Tradução de Paulo Knauss e Ina de Mendonça. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011. Edições Anpuh.

HARTMAN, Saidiya. Perder a mãe: uma jornada pela rota atlântica da escravidão. Tradução de José Luiz Pereira da Costa. 1. ed. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

HARTOG, François. Chronos: l’Occident aux prises avec le temps. Paris: Gallimard, 2020.

HARTOG, François. Évidence de l’histoire: ce que voient les historiens. Paris: Éd. EHESS, 2005.

HARTOG, François. La temporalisation du temps: une longue marche. In: ANDRÉ, J.; DREYFUS-ASSÉO, S.; HARTOG, F (dir.). Les récits du temps. Paris: PUF, 2010. p. 9-29.

HARTOG, François. Regimes de Historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2017.

JELIN, Elizabeth. La lucha por el pasado: cómo construimos la memoria social. 1. ed. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2017.

KLEINBERG, Ethan. Historicidade Espectral: Teoria da História em tempos digitais. Tradução e apresentação de André da Silva Ramos. Vitória: Milfontes, 2021.

KLEINBERG, Ethan. Introduction: The New Metaphysics of Time. History and Theory, Middletown, v. 1, p. 1-7, aug. 2012.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise: uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Tradução: Luciana Castelo-Branco. Rio de Janeiro: EdUerj; Contraponto, 1999.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução de Wilma Maas e Carlos Pereira. Rio de Janeiro: Ed. PUC-RJ, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Time and History: the practice of conceptual history. Timing history, spacing concepts. Stanford: Stanford University Press, 2002.

McTAGGART, J. E. The unreality of time. Mind: A Quarterly Review of Psychology and Philosophy, Oxford, 17, p. 456-473, 1908.

MEDEIROS, Bruno Franco. Plagiário, à maneira de todos os historiadores. São Paulo: Paco Editorial, 2013.

MUDROVCIC, María Inés. Regímenes de historicidad y regímenes historiográficos: del pasado histórico al pasado presente. Historiografías: revista de historia y teoría, Zaragoza, n. 5, p. 11-31, 2013.

NICOLAZZI, Fernando. A história e seus passados. Regimes historiográficos e escrita da história. In: BENTIVOGLIO, Julio; NASCIMENTO, Bruno César (orgs.). Escrever história. Historiadores e historiografia brasileira nos séculos XIX e XX. Vitória: Milfontes, 2017. p. 7-36.

NICOLAZZI, Fernando; TURIN, Rodrigo; ÁVILA, Arthur. A História (in)disciplinada: teoria, ensino e difusão do conhecimento histórico. Vitória: Editora Milfontes, 2019.

NIETZSCHE, Friedrich. Segunda consideração intempestiva: sobre a utilidade e os inconvenientes da história para a vida. Escritos sobre a história. Rio de Janeiro, Loyola/PUC-RJ, 2005.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Escrever vidas, narrar a história: a biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista. 1. ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2012.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Quando será o decolonial? Colonialidade, reparação histórica e politização do tempo. Caminhos da História, [s. l.], v. 27, p. 58-78, 2022.

OLIVEIRA, Maria da Glória de; HANSEN, Patrícia Santos. Corpos, tempos, lugares das historiografias. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 16, n. 41, p. 1–15, 2023.

PHILLIPS, Mark. Society and Sentiment: genres of historical writing in Britain, 1740 – 1820. Princeton: Princeton University Press, 1997.

PINHA, Daniel. Apropriação e recusa: Machado de Assis e o debate sobre a modernidade brasileira na década de 1870. 2012. Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-Graduação em História Social da Cultura do Departamento de História do Centro de Ciências Sociais da PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2012.

PINHA, Daniel; RANGEL, Marcelo; MATTOS, Ilmar. Formação, docência e autoria: pensando o ensino-aprendizagem de história? Entrevista com Ilmar Rohloff de Mattos. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, v. 32, p. 16-35, 2023.

PLATO. Complete Works. Cambridge: Hackett Publishing Company Inc, 1997.

POMIAN, Krzysztof. L’ordre du temps. Paris: Gallimard, 1984.

PROUST, Marcel. A La Recherche Du Temps Perdu. Paris: Gallimard, 1999

RAMOS, André da Silva. Machado de Assis e a experiência da história: melancolia, raça e assombramento. Belo Horizonte: Fino Traço, 2023.

RAMOS, André da Silva. Robert Southey e a experiência da história: conceitos, linguagens, narrativas e metáforas cosmopolitas. Vitória/Mariana: Milfontes/SBTHH, 2019.

RAMOS, André da Silva; CASTRO, Rafael Dias. Entre a inevitabilidade do trauma e a (im)possibilidade do luto: dinâmicas da historicidade em tempos de catástrofe. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 25, p. 236-257, 2022.

RAMOS, André da Silva; KLEINBERG, Ethan. Ethan Kleinberg: Theory of History as Hauntology. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 10, n. 25, p. 212-228, 2017.

RAMOS, André da Silva; RANGEL, Marcelo; RODRIGUES, Thamara. Apresentação - Dossiê - Teoria da História e as Novas Humanidades: debates contemporâneo - Presentation - Dossier - Theory of History and the New Humanities: contemporary debates. Caminhos Da História, [S. l.]. v. 27, n. 2, p. 3–6, 2022.

RANGEL, Marcelo de Mello. A urgência do ético: o giro ético-político na teoria da história e na história da historiografia. Ponta de Lança, São Cristóvão, v. 13, n. 25, p. 27-46, jul./dez. 2019a.

RANGEL, Marcelo de Mello. Da ternura com o passado: história e pensamento histórico na filosofia contemporânea. Rio de Janeiro: Via Verita, 2019b.

RANGEL, Marcelo de Mello. Ensino de História: temporalidade, pós-verdade e verdade poética. Tempo e Argumento, Florianópolis, e0110, p. 1-27, 2021.

RANGEL, Marcelo de Mello. Poesia, história e economia política nos Suspiros Poéticos e Saudades e na Revista Niterói. Os primeiros Românticos e a civilização do Império do Brasil. 2011. Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-Graduação em História Social da Cultura do Departamento de História do Centro de Ciências Sociais da PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2011.

RANGEL, Marcelo; ARAUJO, Valdei. Apresentação - Teoria e história da historiografia: do giro linguístico ao giro ético-político. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 8, n. 17, p. 318-332, 2015.

RICŒUR, P. La mémoire, l’histoire, l’oubli. Paris: Éditions du Seuil, 2000.

RICŒUR, P. Temps et récit III. Paris: Seuil, 1985.

RODRIGUES, Lidiane Soares; MUDROVCIC, Maria Inés; AVELAR, Alexandre de Sá. Rebeldia disciplinada? Introdução à “História como (in)disciplina”. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 14, n. 36, p. 25–44, 2021.

RODRIGUES, Thamara. Antes do cânone: Abreu e Lima e as disputas pelo futuro e pela escrita do Brasil. Rio de Janeiro: Ape’ku, 2021.

RODRIGUES, Thamara. Other ways of thinking and dreaming: the oneiric experience in Reinhart Koselleck, Ailton Krenak and Davi Kopenawa. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 23, p. 178-203, 2020.

RODRIGUES, Thamara. Sonhos, temporalidades e universidade: experiências para o futuro. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, v. 32, p. 231-249, 2023.

RODRIGUES, Thamara; GUMBRECHT, Hans (org.). Reinhart Koselleck: uma latente filosofia do tempo. São Paulo: Unesp, 2021.

ROUSSO, Henry. A última catástrofe: a história, o presente, o contemporâneo. Tradução: Fernando Coelho e Fabrício Coelho. Rio de Janeiro: FGV, 2016.

SAINT AUGUSTIN. Les Confessions. Paris: Fammarion, 1964.

TRAVERSO, Enzo. El pasado, instruciones del uso. 1. ed. Bueno Aires: Prometeo Libros, 2011.

TURIN, Rodrigo. Tessituras do tempo: discurso etnográfico e historicidade no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

VARELLA, Flávia. Um Brasil Medieval: Raça, Clima e Etapas Civilizacionais na História do Brasil de Robert Southey. Belo Horizonte: Fino Traço, 2021.

VARGAS, Mariluci; CALDAS, Pedro; CORREIA, Silvia. (orgs.) Testemunho e escrita da história: da Grande Guerra à pandemia da Covid-19. São Paulo: Letra e Vozes, 2023.

WOOLF, Virginia. Mrs. Dalloway. São Paulo: Penguin-Companhia, 2017

Downloads

Publicado

2023-12-25

Como Citar

RAMOS, A.; HARTOG, F.; CEZAR, T.; RODRIGUES, T. Formas de repensar e experimentar a temporalização do tempo e regimes historiográficos. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 16, n. 41, p. 1–16, 2023. DOI: 10.15848/hh.v16i41.2177. Disponível em: https://revistahh.emnuvens.com.br/revista/article/view/2177. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Temporalização do tempo e regimes historiográficos