A tortura reivindicada

como o bolsornarismo reencena o passado ditatorial em chave atualista

Autores

  • Mariana Joffily Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Daniel Barbosa de Andrade Faria Universidade de Brasília
  • Paula Franco Franco UnB

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v16i41.2031

Palavras-chave:

Ditadura militar, Historicismo, Tempo Histórico

Resumo

A chegada de Jair Bolsonaro à presidência da república deu ensejo a muitas análises empenhadas em compreender
a relação do político com o passado da ditadura militar – tema fortemente reivindicado em seus discursos e falas
públicas. Neste artigo problematizamos as noções de temporalidade envolvidas nesse retorno ao passado, discutindo as noções de historicismo e de atualismo e situando as falas bolsonaristas sobre a ditadura e, mais precisamente, sobre a repressão política, dentro do leque mais amplo dos discursos públicos dos militares brasileiros sobre a violência do Estado. Nossa tese é a de que Bolsonaro, embora se apresente como herdeiro dos militares que participaram da repressão política, representa uma ruptura radical em relação às estratégias discursivas desse setor. Concluímos que ele rompe um enquadramento discursivo que nega o emprego sistemático da tortura e, ao fazer a defesa explícita da violência como instrumento de poder, retoma a ditadura não como um passado, mas como um projeto inacabado, a ser atualizado no presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Joffily, Universidade do Estado de Santa Catarina

Mariana Joffily é professora do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Estado de Santa Catarina. Pesquisa temas relacionados com repressão política, ditaduras militares do Cone Sul e transição democrática. É autora do livro No centro da engrenagem (2013), que recebeu o Prêmio Memórias Reveladas do Arquivo Nacional.

Daniel Barbosa de Andrade Faria, Universidade de Brasília

Daniel Faria é professor do Departamento de História da Universidade de Brasília, na área de Teoria da História. Tem publicado trabalhos sobre as relações entre História e Literatura e sobre a questão do Tempo Histórico. É autor do livro O Mito Modernista (2006).

Paula Franco Franco, UnB

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Brasília UnB, com bolsa CNPq, contemplada com bolsa PDSE Capes para Doutorado Sanduíche junto ao Instituto de Investigaciones Gino Germani da UBA (fev.-jul./2022). Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) com a dissertação "A escuta que produz a fala: o lugar do gênero nas comissões estaduais e nacional da verdade" (2017). Bacharel e licenciada em História pela Universidade Federal de São Paulo (2013). Trabalhou como Coordenadora de Direito à Memória e à Verdade no órgão que presta apoio à Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (Ministério dos Direitos Humanos). Trabalhou como pesquisadora para a Comissão Nacional da Verdade. Colaborou com as pesquisas da Comissão Camponesa da Verdade no estado de SP. É editora e colunista do site de divulgação científica História da Ditadura. Possui experiência como docente e em pesquisa nas áreas: História do Tempo Presente, História da América no século XX, Justiça de Transição, Estudos de Gênero, Ditadura Militar e Direitos Humanos.

Referências

AGUIAR, Leila. “Não se trata de uma ameaça, mas...”. Um estudo das declarações dos ministros militares durante o governo Sarney. Texto CPDOC/FGV, n. 34, 1999.

AMADO, Guilherme. Bolsonaro sugere lugar de execução da ditadura para servidores públicos. O Globo, 1o nov. 2019. Disponível em:https://oglobo.globo.com/epoca/guilherme-amado/bolsonaro-sugere-lugar-de-execucao-da-ditadura-paraservidorespublicos-1-24056200. Acesso em: 15 ago. 2022.

ARAUJO, Valdei; PEREIRA, Mateus. Atualismo 1.0. Mariana: Seminário Brasileiro de Teoria e História da Historiografia, 2018.

ARAUJO, Valdei; PEREIRA, Mateus. Vozes sobre Bolsonaro: esquerda e direita em tempo atualista. In: KLEM, Burna et al. (org.). Do fake ao fato. Vitória: Milfontes, 2020. p. 125-150.

AZEVEDO, Reinaldo. Leia a íntegra do discurso de Bolsonaro transmitido ao vivo durante manifestação. Uol, 22 out. 2018. Disponível em: https://reinaldoazevedo.blogosfera.uol.com.br/2018/10/22/leia-a-integra-do-discurso-de-bolsonaro-transmitido-ao-vivodurante-manifestacao/. Acesso em: 15 ago. 2022.

BAUER, Caroline. La dictadura cívico-militar brasileña en los discursos de Jair Bolsonaro: usos del pasado y negacionismo. Relaciones Internacionales. La Plata, vol. 28, n. 57, 2019, p. 37-51. Disponível em: https://revistas.unlp.edu.ar/RRII-IRI/article/view/7479. Acesso em 30 mar. 2022.

BAUER, Caroline. Usos do passado da ditadura militar brasileira em manifestações públicas de Jair Bolsonaro. In: ARAUJO, Valdei; KLEM, Bruna Stutz; PEREIRA, Mateus (org.). Do fake ao fato. Vitória: Milfontes, 2020. p. 183-203.

BENETTI, Pedro et al. As políticas de memória, verdade, justiça e reparação no primeiro ano do governo Bolsonaro: entre a negação e o desmonte. Mural Internacional, Rio de Janeiro, v.11, e48060, 2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/muralinternacional/article/view/48060/35880. Aceso em: 30 mar. 2022.

BENTIVOGLIO, Julio; BRITO, Thiago. Bolsonaro e a crise da Nova República: a política como conspiração. In: ARAUJO, Valdei; KLEM, Bruna Stutz; PEREIRA, Mateus (org.). Do fake ao fato. Vitória: Milfontes, 2020, p. 163-181.

BEVERNAGE, Beber. History, Memory, and State-Sponsored Violence Time and Justice. New York: Routledge, 2012.

CARTA CAPITAL. Bolsonaro em 25 frases polêmicas, 29 out. 2018. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/politica/bolsonaro-em-25-frases-polemicas/. Acesso em: 15 ago. 2022.

CATEB, Caio et al. A Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos e a Comissão de Anistia no primeiro ano do governo Bolsonaro. In: TELES, Edson; QUINALHA, Renan (org.). Espectros da ditadura. São Paulo: Autonomia Literária, 2020. p. 271-310.

CHAVES, Eduardo. “Do outro lado da colina”. 2011. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História, Unisinos, Porto Alegre, 2011.

CHIRIO, Maud; JOFFILY, Mariana. La verdad de los verdugos. Las comparecencias de los agentes de la represión ante la Comissão Nacional da Verdade de Brasil. Rubrica Contemporanea, Barcelona, v. 5, n. 9, 2016. p. 11-33. Disponível em: https://revistes.uab.cat/rubrica/article/view/v5-n9-chirio-joffily/109-pdf-es. Acesso em: 10 mar. 2022.

CUNHA, Rosa M. C. Comissão Nacional da Verdade: impulso à democratização ou fator de retrocesso? In: TELES, Edson; QUINALHA, Renan (org.). Espectros da ditadura. São Paulo: Autonomia Literária, 2020. p. 179-206.

D’ARAÚJO, Maria Celina; SOARES Gláucio Ari Dillon; CASTRO, Celso (org.). Os anos de chumbo, Relume Dumará, Rio de Janeiro: 1994.

DEL NERO, Agnaldo; MACIEL, Licio; CAMARGO, José Conegundes. Orvil. São Paulo: Schoba, 2012.

DI CARLO, Josnei; KRAMRADT, João. Bolsonaro e a cultura do politicamente incorreto na política brasileira. Teoria e Cultura, Juiz de Fora, v. 13, n. 2 dez 2018. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/TeoriaeCultura/article/view/12431. Acesso em: 30 mar. 2022.

FARIA, Daniel. Anamorfose do día 08 de março de 1970 – ou: O mito em posição de alerta. In: KLEM, Bruna et al. (org.). Do fake ao fato. Vitória: Editora Milfontes, 2020, p. 101-111.

FERNANDES, Felipe B. S. D. Memórias da ditadura: a atuação do Estado brasileiro frente ao seu passado ditatorial militar. 2022. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Pelotas, RS: Universidade Federal de Pelotas, 2022.

FIGUEIREDO, Lucas. Olho por olho. Rio de Janeiro: Record, 2009.

FISHER, Mark. Fantasmas da minha vida. São Paulo: Autonomia Literária, 2022.

FOLHA DE S. PAULO. Leia a íntegra da nota divulgada pelo Exército, 19 out. 2004. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc1910200417.htm. Acesso em: 15 ago. 2022.

FRANCO, Paula. No calor da hora. IV Seminário Internacional de História do Tempo Presente. Florianópolis: UDESC, 2021.

GIORDANI, Marco Pollo. Brasil: Sempre. Santa Maria: Tchê, 1986.

JOFFILY, Mariana; CHIRIO, Maud. Declaraciones de un perpetrador. Contemporanea, Montevidéu, ano 4, v. 14, p. 45-63, 2021. Disponível em: https://ojs.fhce.edu.uy/index.php/cont/article/view/1114/1227. Acesso em: 10 mar. 2022.

KLEM, Bruna et al. (org.). Do fake ao fato. Vitória: Milfontes, 2020.

LÖWY, Michael. Walter Benjamim. Aviso de incêndio. São Paulo: Boitempo, 2005.

MARCHAO, Talita. Sob Bolsonaro, Comissão de Anistia muda critérios e vítima vira terrorista. UOL, 10 ago. 2018. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/08/10/anistiando-terrorista-e-decisao-com-base-em-infancia-militar-as-decisoes.htm. Acesso em: 15 ago. 2022.

MACIEL, Licio. Guerrilha do Araguaia: relato de um combatente. Rio de Janeiro: Corifeu, 2008.

MARTINS, Estevão Rezende. Historicismo o útil e o desagradável. In: ARAÚJO, Valdei et al. A dinâmica do historicismo. Belo Horizonte: Argumentum, 2008, p. 15-48.

MARTINS FILHO, João Roberto. A guerra de memória. Varia História, Belo Horizonte, UFMG, n. 28, dez. 2002. Disponíevel em: http://historiapolitica.com/datos/biblioteca/brasil_martins.pdf. Acesso em 30 mar. 2022.

MEISTER, Robert. After evil. New York: Columbia University Press, 2012.

MENESES, Sonia; MELO, Egberto. História, memória e leituras do passado. In: MENESES, Sonia (org.). História, memória e direitos. São Paulo: Letra e Voz, 2019. p. 37-51.

MOTTA, Aricildes (coord.). 31 de março: o movimento revolucionário e a sua história. 15 vols. Rio de Janeiro: BibliEx, 2003.

O ESTADO DE S. PAULO. “Jamais aprovamos qualquer ofensa à dignidade humana”, dizem generais em manifesto, 26 abr. 2014. Disponível em: https://www.estadao.com.br/politica/jamais-aprovamos-qualquer-ofensa-a-dignidade-humana-dizem-generaisem-manifesto/. Acesso em: 15 ago. 2022.

O ESTADO DE S. PAULO. Clima de 68 não se repete, 12 out. 1988, p. 6.

O ESTADO DE S. PAULO. Militares comemoram 25 anos da Revolução, 31 mar. 1989.

O ESTADO DE S. PAULO. Militares comemoram 25 anos da Revolução, 31 mar. 1989, p. 5.

O GLOBO. Bolsonaro diz que colocará no pau-de-arara ministro que se envolver em corrupção, 12 dez. 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/politica/bolsonaro-diz-que-colocara-no-pau-de-arara-ministro-que-se-envolver-em-corrupcao-24134731. Acesso em: 15 ago. 2022.

PEDRETTI, Lucas. Bolsonaro e a luta contra a memória das vítimas da ditadura. Etcetera, Córdoba, n. 6, 2020. Disponível em: https://revistas.unc.edu.ar/index.php/etcetera/article/view/29618/30425. Acesso em: 30 mar. 2022.

PEDRETTI, Lucas. Afinal, o que há de tão inaceitável no bolsonarismo? História da Ditadura, 06 set. 2021.

REIS FILHO, Daniel Aarão. A extrema-direita brasileira. Anuario, n. 32, Rosario, 2020.

REIS, José Carlos. O historicismo e a redescoberta da história. Locus, v. 8, n. 1, 2002.

RETRATO NARRADO #2: Indisciplina Militar. Locução de Carol Pires, nov. 2020. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/indisciplina-militar/. Acesso em: 15 ago. 2022.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: EdUnicamp, 2007.

RODRIGUES, Fernando; VASCONCELOS, Cláudio Beserra. Os oficiais brasileiros da reserva e a defesa da memória institucional do “31 de março de 1964”. História Unisinos, São Leopondo, n. 18, v. 3, set.-dez. 2014. p. 514-158. Disponível em: https://revistas.unisinos.br/index.php/historia/article/view/htu.2014.183.05/4375. Acesso em: 30 mar. 2022.

ROVAI, Marta. Introdução. In: MENESES, Sonia (org.). História, memória e direitos. São Paulo: Letra e Voz, 2019. p. 7-10.

TELES, Edson; QUINALHA, Renan (org.). Espectros da ditadura. São Paulo: Autonomia Literária, 2020.

UOL. Bolsonaro fala em novo AI-5 “se esquerda radicalizar”, 31 out. 2019. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/10/31/eduardo-bolsonaro-fala-em-novo-ai-5-se-esquerda-radicalizar.htm. Acesso em: 15 ago. 2022.

SCHOLTZ, Gunter. O problema do historicismo e as ciências do espírito no século XX. História da Historiografia, Ouro Preto, v. 4, n. 6, p. 42–63, 2011. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/239/167. Acesso em: 30 mar. 2022.

SETH, Sanjay. Razão ou raciocínio? Clio ou Shiva? História da historiografia, Ouro Preto, n. 11, p. 173-189, 2013. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/554/352. Acesso em: 30 mar. 2022.

TEÓFILO, João. Jair Bolsonaro: uma ameaça à memória. História da ditadura, 04 ago. 2019.

TEÓFILO, João. Forças Armadas, bolsonarismo e a erosão da democracia no Brasil. História da Ditadura, 18 ago. 2021.

USTRA, Carlos Alberto Brilhante. Rompendo o silêncio. Brasília: Editerra, 1987.

USTRA, Carlos Alberto Brilhante. A verdade sufocada. Brasília: Ser, 2006.

Downloads

Publicado

2023-11-05

Como Citar

JOFFILY, M.; BARBOSA DE ANDRADE FARIA, D.; FRANCO, P. F. A tortura reivindicada: como o bolsornarismo reencena o passado ditatorial em chave atualista. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 16, n. 41, p. 1–30, 2023. DOI: 10.15848/hh.v16i41.2031. Disponível em: https://revistahh.emnuvens.com.br/revista/article/view/2031. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Temporalização do tempo e regimes historiográficos