Armadilha à francesa: homens sem profissão

Autores

  • Lidiane Soares Rodrigues

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v0i11.539

Palavras-chave:

Braudel, Conhecimento histórico, História das instituições

Resumo

O presente artigo caracteriza o trabalho das missões francesas de fundação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFCL-USP) – especialmente, o papel desempenhado por Fernand Braudel. Entre as atribuições da missão de que era parte constava a seleção de alunos para dar prosseguimento às atividades institucionais em fase posterior à estruturação empreendida pelos franceses. É possível, por meio do exame minucioso dos escolhidos surpreender a atenção do missionário aos potenciais conflitos locais, concentrados no novo constructo institucional. Outrossim, torna possível auscultar desdobramentos de seus princípios de seleção, assinalando o intercâmbio entre a recém fundada FFLC-USP e a tradicional Faculdade de Direito do largo São Francisco (FD). Para tanto, são apresentados perfil social, motivações ligadas ao trabalho historiográfico e às práticas de ensino e pesquisa dos escolhidos, em particular, Eduardo D’Oliveira França.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidiane Soares Rodrigues

Bacharel, mestre e doutora em História, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

2013-03-04

Como Citar

RODRIGUES, L. S. Armadilha à francesa: homens sem profissão. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 6, n. 11, p. 85–103, 2013. DOI: 10.15848/hh.v0i11.539. Disponível em: https://revistahh.emnuvens.com.br/revista/article/view/539. Acesso em: 29 jun. 2022.

Edição

Seção

Dossiê “Os cursos de história: lugares, práticas e produções"